rss search

O ponto final de partida

line

Seja bem vindo ao meu gigante universo particular! Eu sempre fui apaixonado por paradoxos, embora sempre que me encontrasse em algum eu sentisse bastante ódio. Seja como for, sinta-se acolhido e desprezado ao entrar aqui no meu pequeno mundinho que torno público pra toda internet.

Aqui você vai encontrar textos, bobagens, cretinices, vídeos, fotos, paradoxos e figuras. Inclusive as de linguagem!

Falando em figuras, sempre fui muito fã do surrealismo, casas suntuosas, meditação e anarquismo. Nada parece mais aleatório que o surrealismo, embora sempre carregue um significado. Sempre profundo. Sempre!

Divirta-se! Deleite-se! Desmonte-se! As imagens não são minhas, mas os textos, ah, esses você só encontra aqui. E em outros lugares.

Conversas antigas

Posted by on Oct 2, 2016 in sonhos e pesadelos | 0 comments

fstracci@uol.com.br disse (19:29):
ok
Johnes, H. diz:
opa
Fabio diz:
opa
botou agua no feijao?
Johnes, H. diz:
e nao?
sopinha
Fabio diz:
uhu
Johnes, H. diz:
q manda?
Fabio diz:
entao
qual era o assunto
?
Johnes, H. diz:
regrinhas de criação
Fabio diz:
ah eh
entao, eu tava de dizendo como toda criacao vem da realidade
comecei a notar que, criar, eh uma forma de receber dados da vida e computar de forma que faça sentido
eh como se a vida fosse uma pesquisa maluca, com dados estranhos, sem nenhuma relacao aparente
Johnes, H. diz:
verossimilhança
Fabio diz:
a arte, de certa forma, eh um tecnica de tracar esse dados
exato, ate ai nada novo
agora q entra um papo legal
como encontrar novas formas de forçar o mundo a te trazer esses dados?
olhar jornal, ler, viajar, isso eh comum
o seu experimento de pedir pessoas pra escrever algo eh legal, mas bate no ego, na vontade te querer fazer bonito
estou com umas ideias pra tirar o lado real do ser humano sem ele perceber
por exemplo
bolei um experimento
Johnes, H. diz:
mandaaa
Fabio diz:
vou chamar de “the yelllow wallet project”
vou botar um anuncio no jornal, dizendo q encontrei uma carteira amarela, sem documentos, soh uma foto de uma crianca, e uma grana
se for sua, favor ligar para xxx xxx
dai, qdo a galera ligar, eu gravo a conversa
tento deixar ela confortavel, pergunto como ela perdeu, pra onde tava indo, quem eh a menina, etc
dai eu pego o som, e faco uma animacao disso
no fim, sei la, 5 historinhas, com 5 animacoes malucas
vindas do mundo real, maluco, e desesperado por uns trocados
Johnes, H. diz:
muito louco
Fabio diz:
to pirando nessa forma de arte
tipo, observar o mundo, analisar o q ja existe
dai minha neura com documentario
Johnes, H. diz:
uahauhahaa
Fabio diz:
ultimamente, tenho vistos uns q me fazem chorar q nem crianca
hahaha
Johnes, H. diz:
sim sim
por exmeplo?
Fabio diz:
serio, nenhum filme de ficcao tem um impacto desse
Johnes, H. diz:
sim
Fabio diz:
puts, tem um foda, mas pra um lado ruim, chama-se “dear zachary
puts, eh punk
Johnes, H. diz:
saber que é real pesa bem mais
Fabio diz:
exato
e outro q vi, mto foda, chama-se young at heart
Johnes, H. diz:
mas aí é que tá
mas recursos de ficção podem ser aplicados
e sempre são
Fabio diz:
exatamente
naum quero soh fazer documentario, quero misturar
borat, por exemplo, eh uma obra prima disso
vai por mim, esse filme vai ser estudado em alguns anos
hehe
Johnes, H. diz:
sim
Fabio diz:
eh inovador em muitos sentidos
Johnes, H. diz:
é muito bom
Fabio diz:
ta pra sair um agora q parece legal
eh um documentario de uma mina q naum acredita em amor
ela eh joven, uns 20 anos
feinha
hehe
mas dai, no meio das entrevistas, ela conhece um cara
e eles comecam a namorar
dai o docu muda de rumo, vira uma love story, mas fazendo paralelos com o comeco do filme, questionando se amor existe ou naum
Johnes, H. diz:
irado
genial
o bruxa de blair tbm foi animal nesse aspecto
Fabio diz:
exatamente, mockmentary serio
hehe
Johnes, H. diz:
sim
o negócio é enganar todo mundo
andy kaufman cara
Fabio diz:
esse eh outro, puta genio
morreu tido como louco
como todos os fodidos
hehe
bicho, sabe quem ta numa dessas?
Johnes, H. diz:
o q?
ou melhor
quem?
Fabio diz:
joaquin phoenix
ele entrou numas de virar rapper
meio mendigo
vai pra entrevista no letterman tdo bebado
naum fala nada com nada
Johnes, H. diz:
quem é?
Fabio diz:
e, dizem, ele ta fazendo um experimento com mundo
haha
eh tdo um grande filme, usando a vida dele, e a midia americana como atores
se for real, eh genio
Johnes, H. diz:
nossa
aí sim
Fabio diz:
a gente pode fazer isso em pequenas doses
manja, tipo usar o mauro camargo pra baguncar um pouco hehe
Johnes, H. diz:
sim
aquela da igreja era um comecinho
mas to afim de fazer umas merdas assim sim
fazer barulho
Fabio diz:
mas sabe o q acho foda? zoar igreja eh chutar cachorro morto
haha
Johnes, H. diz:
sim sim
mas é uma sacanagem foda
ninguém, por mais engraçadinho que fosse, colocou maria como puta dando pra uma galera
Fabio diz:
e eu naum acredito em nenhuma igreja, logo zoar soh uma eh como dizer q as outras sao oks
hahaha
Johnes, H. diz:
sim
claro
por isso que temos que zoar as outras
o foda é maomé
dá merda
hahahaha
Fabio diz:
huaheuaheua
cara, religiao eh foda
o q eu tento entender eh esse lance do ser humano ser inteligente individualmente, mas qdo se junta em grupo, vira zona
Johnes, H. diz:
hauhauhuhauahuhaua
Fabio diz:
isso eh religiao
Johnes, H. diz:
ser humano é bicho em vários momentos cara
Fabio diz:
verdade
naum vou reclamar, eh isso q faz a vida interessante
eh demais ver pastor pulando no palco, tirando o capeta
entertainment puro
Johnes, H. diz:
uma coisa que eu acho totalmente deturpada
é o sentido da palavra humano
humanidade
humanitário
de todos os bichos da terra, todos agem e reagem por medo, por fome, por carinho a um ente indefeso…
mas só um age por mera crueldade
ser humano é ser cruel
Fabio diz:
mas vc acha, q se outra especie visse o ser humano agindo, pensaria q ele eh cruel?
ou veria uma criatura reagindo por medo, fome, etc…
Johnes, H. diz:
ah, é aquela coisa
vc nunca vai presumir um comportamente que vc não conhece
uma criatura que não conheça a crueldade, não vai entender essa reação
as vezes é difícil da gente entender atos de seres humanos
tamanha a crueldade
Fabio diz:
hmm, interessante
Johnes, H. diz:
vc pensa: como pode alguem fazer isso
Fabio diz:
acho q existem muitos niveis, principalmente qdo se chega em assuntors do naipe de psicopatia, etc
tipo, o malandro eh cruel por natureza, ou o sistema criou um cara assim?
Johnes, H. diz:
a crueldade é da raça
da mesma forma que todo ser humano ja nasce com medo de cobra
nasce cruel
Fabio diz:
hahah, alguns gostam hein
hehe
Johnes, H. diz:
a sociedade é um sistema de normas que tende a minimizar essa crueldade
quando não da, ela retira a pessoa dali
Fabio diz:
hmm
tava focando no ponto de crueldade fisica
mas, pensando bem, crueldade eh bem ampla
Johnes, H. diz:
sim
Fabio diz:
concordo
aprovo esse conceito
Johnes, H. diz:
huahuahauha
Fabio diz:
aplica em duas vias, eu carimbo, e passo pra outro departamento
Johnes, H. diz:
que tal um documentário sobre uma campanha anti drogas? pessoas que trabalham como voluntários em casas de tratamento…
Fabio diz:
hmm, se eu achar alguem legal q faca isso, ate rola
foda eh encontrar um monte de gente naquele esquema “ah, quero ajudar, naum sei como…”
fica meio crianca esperanca
haha
Johnes, H. diz:
só que o foco é num cara, que trabalha com isso, e começa a ficar viciadaço
começa a experimentar e curtir pra cacete
e começa a questionar os limites em que isso possa ser aceito pela sociedade… começa a ter uma visão mais de centro
e maluca
Fabio diz:
hmm, to gostando
Johnes, H. diz:
tipo
Fabio diz:
conta
Johnes, H. diz:
é só inserir um ator numa ong dessas
que trabalhem com isso
vai lá, faz um documentário
trabalho contra drogas
blablabla
mostra casos
mostra o caso do cara
e twist in the tale
Fabio diz:
q tal o seguinte
quase a mesma ideia
Johnes, H. diz:
manda
Fabio diz:
a gente pega alguem (digamos, o eslley)
hehe
Johnes, H. diz:
hahaha
Fabio diz:
soh pra ficar engracado
Johnes, H. diz:
cospe piruá nele
Fabio diz:
e a gente faz ele ficar viciado em heroina
haha
gravamos tdo
Johnes, H. diz:
pq não?
hauhauhauhauhauha
Fabio diz:
dai, mandamos ele pra rehab
e filmamos tdo
real life experiment
Johnes, H. diz:
hahahahahaha
Fabio diz:
ou, de novo, eh tdo fake
do tipo “nossa, como eles deixaram esse cara se viciar”
Johnes, H. diz:
huahauhauhauhaha
então só precisamos de uma cobaia
e bastante heroína
Fabio diz:
porra, o eslley
Johnes, H. diz:
e um belo contrato
Fabio diz:
haha
hahaha
imagina, budget do filme eh 10 mil… advogados: 3 milhoes
Johnes, H. diz:
jiuahuahuahuahauhaha

Uma entrevista do Gabeira com 420 palavras

Posted by on Sep 12, 2016 in sonhos e pesadelos | 0 comments

L1 – Sidney Rezende
L2 – Fernando Gabeira

L1. o entrevistado do site esse erre zê dê hoje é Fernando Gabeira… escrito:r… jornalista… deputado federal Muito bem votado no rio de janeiro… algumas pesso:as… em alguns estados brasileiros… até gostariam de votar nele mas isso não é/ não é possível… somente o eleitor fluminense o eleitor carioca… a gente vai conversar hoje Gabeira sobre muitas coisas mas uma informação eu queria começar com você porque::… ah… deputada Jandira Fegali nos deu uma entrevista… que gerou uma polêmica enorme quando ela se posicionou a respeito do aborto… e::… mais tarde ela perde a eleição para Francisco Dorneles… muita gente atribui a este fato… a opÇÃO dela em interpretar o aborto de uma maneira PRÓpria… a sua opinião qual é?

L2. sobre o aborto ou sobre a Jandira

L1.    {sobre o aborto e se a Jandira acertou ao dizer claramente o que pensava

L2. ((limpa a garganta)) olha minha posição é uma posisção que garante a liberdade individual… né? a liberdade da mulher interromper a gravidez quando ela achar que isso é fundamental pra ela… não significa que eu seja… a favor do aborto… não acho que ninguém seja… a favor do aborto… né… o que você é – – e isso é na alemanha já discutiu-se muito quando se… é:::… legalizou a prostituição – – as pessoas que trabalharam na lei a respeito da prostituição eles falaram nós não somos a favor da prostituição… nós somos é contra a proibição… no caso do aborto acho que se você puder… é…  informar as pessoas… se você puder ter um país de meninas sobretudo adolescentes cada vez mais informadas você terá um número de gravidez indesejado muito menor… então a minha perspectiva é  de reconhecer o direito da mulher sobre o próprio corpo… isto é… legalizar… mas fazer um grande trabalho de informação para que você não tenha gravidez indesejada… porque o aborto não é bom… não é… não é uma coisa que você deva recomendar… é uma coisa que você deve evitar… e pra evitar só com informação…

L1. e porque que a Jandira perdeu a eleição… ao tocar nesse assunto esse foi um um um  ponto mestre.. um ponto central da campanha que os opositores a ela mais criticavam

L2. ela perdeu a eleição porque existe – é um candidatura majoritária né – o rio de janeiro hoje tem uma presença religiosa muito grande… e eles exploraram isso como exploraram também a relação é/a união civil de pessoas do mesmo sexo contra o Sérgio Cabral…

 

________________________________________________________

Seria isso coincidência?

 

Horário Eleitoral Surreal

Posted by on Sep 7, 2016 in pensamentos randômicos | 0 comments

Seria engraçado se não fosse triste… o retrato de um povo e sua instrução política!

É o absurdo sem graça

O trabalho e os dias!

Posted by on Jul 30, 2016 in sociedade sem sócios | 0 comments

Os três mitos que aparecem na primeira parte de O trabalho e os dias são:

O mito das duas lutas trata sobre a guerra do dia-a-dia, caracterizada na labuta, no trabalho do homem, e a guerra má, a luta que se fundamenta no combate. Hesíodo tenta fazer com que Perses se foque na primeira;
O mito de Prometeu e Pandora, no qual é sugerida e exaltada a grande força de Zeus. Prometeu tenta enganá-lo e acaba por levar o fogo aos mortais. Zeus se vinga com a criação de Pandora que, para desespero dos humanos, despeja suas maldições sobre a terra. Mostra o rigor do poder divino sobre o homem;
O mito das cinco raças separa a raça humana em Raça de Ouro, de Prata, de Bronze, dos Heróis e de Ferro. Diz que, da primeira a última, a raça humana tem sido cada vez mais depreciada e rebaixada em relação aos deuses, pela ação do tempo. Essa ação do tempo porém toma um caráter cíclico, pois com algumas palavras o poeta sugere que a Raça de Ouro poderia ressurgir no futuro, talvez uma esperança pra raça humana.
A segunda parte do poema é composta por questões didáticas sobre plantio, colheita, agricultura e navegação. Uma série de atitudes práticas que as pessoas devem ter em ordem de conseguir frutos justos para uma vida digna.
As partes se relacionam, uma vez que o poema é dirigido de Hesíodo para seu irmão, com o intuito de passar-lhe uma lição de moral, para uma vida mais honesta. Hesíodo discute a questão da herança que ambos teriam recebido e tenta, na primeira parte do poema convencer Perses por histórias míticas que ilustram essa moral, seja demonstrando a ira dos deuses para com a injustiça, seja mostrando como os homens têm sido rebaixados ao longo do tempo. Na segunda parte o poeta tenta ser mais categórico e prático no discurso ao irmão, porém também sugerindo uma mudança de vida, um arrependimento de Perses e, uma valorização do trabalho e, conseqüentemente, sua salvação.

No âmbito geral da poesia oral clássica, o papel das musas era de inspirar os aedos, ou cantores. Eles as invocavam buscando incorporar o discurso e a poesia das musas, para então proferirem suas palavras. Os aedos costumavam também evocar a deusa da Memória para conseguirem cantar os extensos poemas até o final, haja vista que não se utilizavam de recursos de escrita. As musas cantam para alegrar o ânimo de Zeus e ensinavam os homens esta arte para que as histórias chegassem a todos os homens. Na Teogonia, as musas não são tão claras em suas palavras – elas dizem mentiras bem parecidas com a verdade. Elas dissimulam. Por vezes chegam até a revelar algumas verdades, mas dispostas naquela teia de informações dúbias. De uma forma ou de outra, a Teogonia começa com o hino às musas como era tradição na poesia oral da época, como se fosse uma busca à inspiração.
O mito de Prometeu conta como se instaurou a condição humana. Conta o nascimento da primeira mulher, da sexualidade, e de todos os males que acometeram os humanos. Ilustra também a necessidade do trabalho, da labuta. Já o mito das 5 raças mostra como a raça humana foi sendo depreciada com o passar do tempo, ou das eras, tornando-se por fim a Raça de Ferro, a que existe na atualidade tanto do poeta como na nossa, o ser humano como conhecemos hoje.

Brazilke

Posted by on Jul 4, 2016 in pensamentos randômicos | 0 comments

Ilustra dahora, som potente

Video mostra homem pegando bolsa de mulher morta

Posted by on May 25, 2016 in sociedade sem sócios | 0 comments

Um daqueles dias que a gente acorda e bota uma fé enorme nas pessoas, nos seres humanos, no Brasil, no governo, no FMI, na BNDES, no Obama, nas olimpíadas do Rio, nas escolas da Finlândia, nos banqueiros islandeses e em tudo que acontece no universo.

Fé! Essa é a palavra do dia!

Gravação mostra homem retirando objeto de dentro do carro ainda virado.Pai da vítima reclama do sumiço dos documentos e pede devolução.

Fonte: G1

Porque o capitalismo precisa acabar

Posted by on Mar 1, 2016 in sonhos e pesadelos | 0 comments

tem gente que tem dinheiro e eu entendo isso. tem gente que tem muito dinheiro e eu entendo isso tambm. mas tem gente que não tem dinheiro e isso ainda é compreensível. mas o que não dá pra entender é porque as pessoas que não têm dinheiro defendem as pessoas que o tem.

é fácil entender que as pessoas que não tem dinheiro queiram ter, claro. é fácil também entender que elas olham para as pessoas que tem dinheiro e se espelhem nessas pessoas, queiram ser como elas, procurem até imitá-las. sim. é só você ver quantas biografias do Steve Jobs são vendidas a cada minuto no mundo todo.

a cultura do rico é sempre imposta sobre a cultura do pobre. para o rico não basta o conforto, os voos de primeira classe e os coqueteis à beira-mar do caribe com anões vestidos de carmem miranda servindo petiscos. não. os ricos querem ser idolatrados, amados, salve-salve. eles querem ser modelos, querem ser o homem aranha e o wolverine juntos, mas sem salvar os inocentes. de preferencia comprando e vendendo o tempo dos inocentes em troca de champagne e um iate em saint tropez.

e isso sempre foi assim; veio a revolução industrial, a revolução digital, a carreta furacao e nada disso mudou. desde o clero até os videomakers do youtube as pessoas com poder aquisitivo alt sempre tentam impor a sua vida na vida dos pobres na marra.

esses dias eu encontrei esse site aqui. reparem no estilo de vida inimaginavel que algumas pessoas do mundo andam vivendo por ai. eu sempre entendi que existia muita gente cheia de grana, mas isso foi alem das minhas possibilidades mentais que nao sao das mais fracas – adoro dar uma viajadinha. casas com 6, 10, 20 quartos, com 3, 4 piscinas, salas do tamanho do maracana, casas com dois heliportos, com estacionamento para 4 lanchas, casas ocupando terrenos em reservas naturais, matando bixos e plantas em prol de um preciosismo doentio de pessoas que controlam todo o dinheiro do mundo e querem ser atendidas nos seus mais absurdos prazeres. e isso é só um absurdo prazer a respeito de moradia. imagina o que os bilionarios acham que podem fazer com os seus empregados, com as pessoas que se envolvem com algum deles em um acidente de carro, com alguém que aparece na frente deles em uma fila de qualquer coisa… o dinheiro deixa as pessoas sem limites, acaba desvirtuando qualquer propósito em troca de um pouquinho mais de conforto…

é triste, absurdo e eu estou sem saco pra isso hoje!

I also write songs

Posted by on Jan 11, 2016 in vida e poesia | 0 comments

2 different worlds

sometimes, late a night
I stayed awake just to watch you sleep
I never told you, I dont know why
But I could see right inside your dreams
I got close, but stayed behind
I went as far as I could go
maybe I wasn’t so fast
I thought the ride was meant to be slow

You once told me
you weren’t the kind of person
who would spend a lot of words
just to talk about yourself.
You said that 2 people
are 2 different worlds
and it’s rarely worthy
to put any 2 together.

I saw it all, slowly fading
and turning into black and white
In between, nothing was changing
nothing would change your style
I tried to listen, I tried to talk
and everything you let me try
but all the effort wasn’t enough
to keep any dream alive

that kind of dream
you think it’s gone
but calls you back
once you close your eyes
not this one
not for me
I’m waking up
a world to see

Preguica, Inercia, Trabalho e preguica de novo…

Posted by on Dec 8, 2015 in sociedade sem sócios, vida e poesia | 0 comments

Hesíodo, um dos maiores poetas da Grécia antiga, escreveu um poema mitológico chamado Teogonia, no qual conta a origem dos deuses, dos homens e, consequentemente, do próprio mundo. Entre os homens, divide-nos em 5 castas, que teriam vivido em eras diferentes: a de ouro, a de prata, a de bronze, a dos heróis e a de ferro. No início éramos praticamente deuses e, ao final, terminamos nessa balbúrdia que conhecemos hoje. Pouco a pouco, era a era, somos acometidos de desgraças que vão nos colocando em nosso devido lugar.

Dentre as desgraças que acometem nossa raça, duas me chamam a atenção: na era de bronze, os humanos descobrem e vivenciam a guerra; já na era de ferro somos vítimas do trabalho. A guerra, enquanto castigo, vem antes do que o trabalho em si, punição suprema que condena a humanidade para sempre. Nada mais justo; tanto um quanto o outro vai acabar matando você mas, com sorte, na guerra morre-se mais depressa.

Mas, com o tempo, toda a concepção e o significado de “trabalho” mudou. Há até quem diga que ele enobrece.

Essa é uma das provas de que o mundo realmente tem ficado mais idiota. Mais ainda são as pessoas que não conseguem ficar sem trabalhar. Não estou me referindo às pessoas que simplesmente encontram prazer em sua labuta diária. Isso é normal, tem louco pra tudo. Refiro-me sim àquele tipo de gente que fica desorientado quando sai de férias, que não vê a hora de voltar ao trabalho, que liga da praia pro escritório pra saber como vão as coisas. Parece exagero, mas essas pessoas são bem mais numerosas do que os torcedores da portuguesa.

Tá, mas e daí? Alguns devem se perguntar: a pessoa não pode ser comprometida a esse ponto? Ora, vivemos em um país livre. Claro que sim! Mas é a idiotice da coisa que me preocupa. O trabalho é um meio, não um fim para nossas vidas.

Basta colocar um toque lúdico para trazer a lucidez à tona: se você tivesse direito a um pedido, fosse ele feito para um gênio da lâmpada, um leprechau, ou qualquer outra entidade infantil, você escolheria milhões de dólares, uma saúde de ferro, uma essência que coloca todas as mulheres aos seus pés, ou uma hora-extra de sexta feira?

O verdadeiro idiota inclui a última alternativa na dúvida.

Alice no pais de Svankmajer

Posted by on Nov 14, 2015 in sonhos e pesadelos | 0 comments

Se você acha a Alice do Tim Burton muito doida, você precisa conhecer a versão desse cara: Jan Svankmajer. Sabe quem é esse cara?

Dentre muitos gêneros e formas de se criar a 7ª arte como o conhecemos, existe um cineasta que passa inspiração e conceitos do mundo do cinema animado para a arte em todas as suas instâncias. Jan Svankmajer é considerado o rei em Stop-Motion. E esse título não é exagero.

Desde jovem, o tcheco Svankmajer se mostrou habilidoso no manuseio e aptidão com fantoches. Estudou na Escola de Artes Aplicadas de Praga conseguindo seu primeiro trabalho com o cineasta Emil Radok com o filme Doutor Fausto. Sua experiência com o cinema em Stop-Motion decorreu por várias conveniências: através de sua mulher, Eva Švankmajerová, uma artista famosa por pinturas surrealistas e por sua entrada no Grupo de Surrealismo Tcheco.

Sua filmografia é composta por mais de 20 curta-metragens e 6 longa-metragens e todos eles lhe renderam um lugar de destaque entre os criadores e disseminadores da arte surrealista.

Seus filmes são considerados únicos em essência e gênero. Objetos e alimentos tomando vida e movimento em ambientes escuros e fechados são características constantes nos filmes de Svankmajer. Em seus filmes Alice e Fausto, as pessoas que contracenam no filme também passam pelo processo de Stop-Motion junto aos bonecos e objetos que também se movimentam no ambiente. Uma aposta arriscada para o cinema, dada a instabilidade de movimentos do personagem vivo. As obras têm, em sua maioria, tramas sobre diversos problemas de natureza primárias do ser humano, como o romance infantil Alice, de Lewis Carrol, reproduzido e desconstruído por Jan Svankmajer. Falar de Stop-Motion é falar de Jan Svankmajer. Tanto que suas obras serviram de inspiração para outros cineastas renomados como Terry Gilliam, Timothy e Stephen Quay e Tim Burton.

fonte: filmow

Esse cara mudou a minha forma de olhar para os filmes, animações e fotografias. Mudou minha forma de escrever roteiros e histórias. Sou fanzaço e não me canso de enaltecê-lo.

Personagens da vida real

Posted by on Sep 2, 2015 in sociedade sem sócios, vida e poesia | 0 comments

Maurício mora no Higienópolis e é o único do condomínio que os pais deixam sair pra brincar na rua. Tem 13 anos e está na 1ª série do ensino médio do Mackenzie. Não entende muito o mundo playboyzinho que vive, às vezes tem pensamentos socialistas. Sua família é a típica burguesa classe alta de SP – pai promotor e mãe juíza – e seu pai só o deixa sair na rua numa boa pra pagar de descolado. Vive procurando maneiras de espionar o moleque GPS no tablete, por exemplo. Esportista, tecnológico, bem educado. Fala como advogado, vai ser advogado quando crescer para ser ou juiz ou promotor. Tem uma agenda super cheia – aulas de línguas, de artes marciais, de oratória – os pais tentam transformar o moleque em um super filho. Levaram ele em programas de auditório na infância como criança prodígio – ele sabia se equilibrar num monociclo, jogando xadrez contra 4 adultos e ganhando, cuspindo fogo, fazendo malabares e quebrando uns tijolos com golpes de caratê. Ele achou que tinha ido incrível – todo mundo na verdade achou e ele ia ganhar o concurso disparado de qualquer jeito – mas ele viu os pais pagando os jurados e, desde então, começou a questionar tudo o que eles trazem pra ele. Filho único, família grande. Vários tios e primos. O moleque fica puto com os pais e começa a meio que mandar na casa, aí começa a sair na rua, fazer outras coisas. Começou a questionar todas as suas decisões, inclusive se vai mesmo ser advogado. Ta adiantado na escola. Os pais são emocionalmente completos desabilitados. O garoto, bem inteligente, os manipula como quer. Ele está um ano adiantado na escola. Faz jiu-jitsu, sabe se defender, não pratica bullying mas é bom de briga. Defende os amigos na porrada, principalmente os do Maps que não são amigos dele pelo que ele tem.

Cadu mora em algum bairro pobre da periferia – é malandro, charmoso e as meninas adoram. Sempre entra de graça nos lugares, ganha coisas e escapa dos problemas. É mulato e mora em com uma família humilde – 6 irmãos, pai e mãe. Não é uma favela, é um bairro bem pobre. Ele tem vergonha de levar a galera na casa dele e sempre repara em tudo quando vai na casa dos outros. Adora praia, esquema farofeiro. Faz amizade fácil, tem muita lábia. Estuda em uma escola do estado e está habituado a ver alunos baterem nas professoras, repetentes com 18 anos na sala dele, coisas assim. Pira em artesanato e reciclagem e, quando crescer, quer despoluir um rio. Quer que todo mundo recicle tudo. Família muito unida, todo mundo se ajuda e os irmãos brigam pouco. Moram em uma vila onde todo mundo se conhece. Ele vai bem na escola ao contrário da maioria dos irmãos, e tem muita facilidade com música. Tem uma namorada muito ciumenta. Vive dando perdido nela. Magrelo. Usa umas roupas de modas das antigas, tipo kichute e camiseta big Johnson. Está sempre algumas gerações atrasados em coisas como moda, gadgets, e informações de fora do país. A mãe trabalha em casa – faz doces e vende – e o pai trabalha como metalúrgico em uma grande montadora. É todo quebrado por causa do trampo, mas adora trabalhar e fica na fábrica 12 horas por dia se deixarem. A mãe é gordona, sábia, justa, fala de novela como se fossem pessoas da vida real.

Júnior mora no abc e é meio caipira, tem aquele tipo de zoeira que sacaneia todo mundo, estilo gaúcho. Tem 13 anos e costuma mudar de estilo de acordo com a moda. Cada dia ouve uma música diferente. Inseguro em tudo, é o caçula de 3 irmãos. Sempre faz piada que tira onda da cara de alguém de um jeito escrachado, mas quando fazem dele não leva na brincadeira. É fissurado em carro, futebol, é meio gordinho e alto. O pai é funcionário público – trabalha na receita federal, e a mãe é uma coroa gostosona que o marido não deixa trabalhar por medo que ela dê pra qualquer pessoa que ela conheça. Ela dá pra uma galera sempre que o marido vira as costas. Uma dondoca. A irmã do meio é uma famosa blogueira anônima que posta textos sobre sexo estilo cinquenta tons de cinza, só pra fazer uma grana. Ela tem 16 anos, chama Tiffany, odeia o próprio nome e bateu na mãe na festa surpresa de debutante dela. O irmão mais velho tem 22 anos e acbaou de entrar na faculdade de Administração do Vale do Paraíba e, como ele tem um pouco de receio de morar fora de casa, a mãe dele leva ele e busca ele todos os dias de aula.

Caio mora no centro de sp – na rua augusta – fuma, bebe e escreve. É sarcástico ao extremo, sem a menor fé na humanidade. Detesta grupos e tribos. Tem 13 anos. Ouve Rock and Roll. É todo fora de esquadro, tem um braço maior que o outro. O único que lê livros. Conhece teorias de conspiração, zeitgeist, da servidão moderna. Gosta de coisas antigas, monty python, led zeppelin. Detesta a geração trash 80 e morre de medo que a geração dele faça uma trash 00. Não suporta modinhas como gangnam style, funk lelek lek lek e outras merdas. Tem saudade dos anos 70. Mora com o pai que é professor universitário, da aula no curso de Ciências Sociais da FFLCH na USP. O pai cria o filho sozinho. A mãe dele mora em minas gerais, o pai conheceu num carnaval. Eles conversam até hoje, o moleque às vezes passa uns dias lá. Caio fica constantemente sozinho em casa e lida com os amigos do pai bêbados e drogados no apzinho pequeno. Escreve poesias fora de hora, é dramático e exagerado.

Quem nunca se deparou com personagens assim durante a sua vida que atire o primeiro rojão pro alto e comemore!

a enorme lista de sites que não leio mais

Posted by on Jul 30, 2015 in pensamentos randômicos, sonhos e pesadelos | 0 comments

A internet já foi mais divertida. Infelizmente hoje em dia só sobrou o André Dahmer!

Até o Porta dos fundos que tinha começado bem ja entristeceu…

 

Aqui, segue uma lista de sites que eu quero que vão para o caralho, na devida ordem:

  1. Kibelocohttp://www.kibeloco.com.br/
  2. Não Salvohttp://www.naosalvo.com.br/
  3. Não Intendohttp://www.naointendo.com.br/
  4. Jesus Manerohttp://jesusmanero.blog.br/
  5. Ah Negãohttp://www.ahnegao.com.br/
  6. Jacaré Banguelahttp://www.jacarebanguela.com.br/
  7. Bobagentohttp://bobagento.com/
  8. Sedentário e Hiperativohttp://www.sedentario.org/
  9. Capinaremoshttp://capinaremos.com/
  10. Insoôniahttp://www.insoonia.com/
  11. Le Ninjahttp://leninja.com.br/
  12. Chongashttp://www.chongas.com.br/
  13. Não Pode Rirhttp://naopoderir.org/
  14. Cogumelo Loucohttp://cogumelolouco.net/
  15. Frango Nerdhttp://www.frangonerd.blog.br/
  16. Fail Warshttp://www.failwars.blog.br/
  17. Trollandohttp://trollando.com/
  18. O Verso do Inversohttp://www.oversodoinverso.com/
  19. Não Ligohttp://www.naoligo.com/
  20. Humordidohttp://humordido.net/
  21. Ela Tá de Xicohttp://www.elatadexico.org/
  22. Não Leve por Tráshttp://www.naoleveportras.com/
  23. Memetizandohttp://memetizando.com/
  24. Tensohttp://tenso.blog.br/
  25. Não Mesmo – http://www.naomesmo.com.br/ 

Hora do almoço

Posted by on Jun 11, 2015 in sociedade sem sócios, vida e poesia | 0 comments

Se você ainda não conhece o trabalho do Svankmajer você está usando a internet do jeito errado

Cheio de stuffs e coisinhas

Posted by on Apr 10, 2015 in pensamentos randômicos, sonhos e pesadelos | 0 comments

Have you ever noticed how we are crazy about stuff? It seems like everybody lives in order to gather stuff.

You are always carrying stuff with you: keys, cellphone (mobile), wallet, credit card.

Your house is also full of stuff. It’s basically a huge stuff box with ceiling-shaped lid

If you didnt have all this stuff, maybe you wouldn’t even need to live in such a big place. Why on earth do people move? Because they need a place where they can fit more stuff.

Then, when you finally fill up your house with stuff, you’ll be afraid of someone going in there. After all, you have plenty of stuff and you know that everybody wants the same. So you buy some special stuff to prevent people to take the stuff you keep at home, your big stuff depository.

Suddenly you realize you’re full of stuff. You’ve got stuff in your pockets, in your backpack, at home, at work, on your beach house, in your car. You have stuff that you don’t even know what they’re made for.

But, hey, don’t be worried, depressed, wondering if there’s something wrong with you. It’s not your fault.

It not what you drink but how you drink it

Posted by on Mar 22, 2015 in sociedade sem sócios | 0 comments

Pra você que me acha esquisito, uma prova de que tem muito mais gente pior do que eu. Existem países inteiros piores do que eu! Milhões de pessoas piores que eu! Eu sou o melhor! huahauhauhaha

11 Devaneios da Madrugada

Posted by on Mar 12, 2015 in pensamentos randômicos, sonhos e pesadelos | 0 comments

1 – Não preciso sair de casa pra nada. Pra pegar mulher eu vou no orkut, entro numa comunidade do tipo: mulheres baixinhas. Procuro um tópico do tipo: altura, peso, idade. Faço uma busca ali e puxo papo de qq jeito. Tem um que não falha. É só Perguntar o signo e, não importa o que ela responder, vc ja fala na sequencia: hmmm… personalidade forte.

2 – algumas dicas pra viver bem humorado. eu costumo pensar que tô no meio de um musical. Do nada levanto do sofá, estico os braço e tro lo looo

3 – quanto mais intimidade você tem com uma pessoa menos educado você precisa ser. É por essas e outras que a intimidade acaba com qualquer relacionamento. sabe quando você percebe que a intimidade passou dos limites? quando vocês peidam um na frente do outro

4 – eu já broxei… tenho certeza que todos vocês aqui já broxaram… e tenho certeza que todos vocês quando broxaram fizeram a mesma cara de bunda… olha pro pau, olha pra mina… daí bate aquele desespero de arrumar um álibi… tô cansado… tô com mil coisas na cabeça… fui por a camisinha no pinto, o pinto achou que era touca e dormiu… e o broxa sempre precisa de um álibi… pra convencer o mundo e se convencer… tive uma semana estressante… flho da puta passou a semana estressante inteira de pau duro vendo a estagiária de sainha pra lá e pra cá e na hora do vamuvê, nada

5 – eu gosto de rock and roll. qunado eu era moleque eu gostava bastante de heavy metal. Acho que parei de gostar de heavy metal quando comecei a entender as letras… Pega o Iron maiden por exemplo…. uma baita pose, todas aquelas caras de mal pra cantar uma música falando que tem medinho do escuro? vai se foder… só falta o júnior cantar orgasmatron

6 – esses dias eu vi uma matéria sobre os homens-bomba. a história que contam pra esses caras é que, ao explodirem-se pela causa, vão para o céu e la terão 72 virgens. 72 virgens. Alguém aqui já tentou comer UMA virgem? Eles vão precisar mesmo de uma eternidade pra conseguir dar conta disso tudo.

7 – às vezes a gente se desliga um pouco do mundo. esses dias eu fui no dentista e naquela salinha de espera tinha uma mulher lendo a Caras. eu tinha completamente esquecido que essa porra de revista existia até ter uma dor de dente. um prazer duplo. Só não sei quem é pior: o cara que compra a revista ou quem paga para aparecer dentro dela

8 – essa de ser fanático por futebol pra mim é coisa de gay enrustido… é só desculpa pra deixar um poster de homem no quarto

9 – existem diversas maneiras pra se pensar numa pessoa. você pode pensar em alguém e ter a lembrança do primeiro amor, a euforia do primeiro beijo, da primeira transa. a descoberta do toque e de todas as outras sensações. você pode pensar em alguém e sentir companheirismo, uma união completamente desinteressada que só agrega aos dois. e é incrível como vc pode pensar na mesma vagabunda 7 anos depois e só pensar no apê que ela passou a mão, no carro que ela vendeu..

10 – Esses dias eu tava na casa de uns amigos e a gente acabaou vendo um programa sobre puta de fronteira: veio uma daquelas minininhas intelectuais e começou: mas vc acha que sua vida é mais feliz que a dela? pq o tudo que você tem e o tudo que vc quer ter nem chegam a fazer parte dos desejos dela. ela na realidade dela pode ser mais feliz do que vc na sua… mimimimi
E eu: pera lá… a mina é puta numa fronteira… não tá fácil pra ela né?
E daí? só pq a vida dela é diferente vc acha que tá numa posição melhor que ela? então vc se acha melhor do que um indio?
(sabe aquele tipo que quer ser diferentão e acaba fazendo o que todo mundo faz? sendo o do contra? o cara que torce pra argentina, que sempre acredita na versão do padre… esse tipo de gente… o cara que acha que a isabela se matou)
Daí eu falei: beleza pega um indio. imagina uma tribo onde todos os indios tem flechas pra caçar sua comida só que um deles, pra conseguir flechas, precisa dar a bunda.
Dá pra sacar a diferença?

11 – isso faz parte de um dos princípios que regem a humanidade: quando em dúvida, nivele por baixo. tenho certeza que todo mundo, em vários momentos em situação de grupo, um trabalho da faculdade, uma prova no colégio, um desafio no trabalho, se sentiram nivelados por baixo. É por esse mesmo princípio que os caras do help desk tratam qualquer um como uma velha de 90 anos sentando pela primeira vez na frente de um computador…
– A impressora não tá funcionando…
– Você já verificou se o fio preto na parte de trás da impressora tá conectado a um buraco preso na parede?